quinta-feira, 2 de julho de 2015

TENTANDO SER JORNALISTA!

Como ninguém quis compartilhar suas histórias na "SESSÃO NOVOS TALENTOS" do Blog, voltemos ao egocentrismo de antes. Hoje mostrarei que tenho também o lado jornalista tanto que escrevi uma crônica (na verdade essa é a segunda, pois já havia postado uma aqui) sobre ajudar pessoas e o quão importante é isso! Isso é só para mostrar que quero ajudar vocês novos escritores e não é uma indireta, tá? rs

Ser bom samaritano ou egoísta? Eis a questão.


Nesse ano de 2010, muitas tragédias aconteceram. No mundo: o terremoto do Haiti e do Chile que mataram milhões de pessoas, deixando os sobreviventes, já pobres, sem moradia e comida. No Brasil, como: Paraty, no Rio de Janeiro, no primeiro dia desse ano, provocando inúmeros deslizamentos de terra, as enchentes paulistas na grande São Paulo, as inundações nas Minas Gerais, no sul do país, alguns estados nordestinos e boa parte do país tupiniquim. No Vale do Paraíba, nesse ano, em São Luiz do Paraitinga, uma enchente alagou a cidade, fazendo a igreja histórica desabar. Recentemente, as mídias veiculam a enchente de Niterói. Muitos brasileiros ajudaram e ajudam os sobreviventes enviando doações em dinheiro ou mantimentos.
Nesses momentos trágicos que o espírito da solidariedade deve estar em nós, não só no dia 25 de dezembro. Mas será que você é bom samaritano nas situações banais de seu cotidiano? Ajudar uma pessoa doando uma coisa é ótimo, mas irrelevante quando você não pratica no decorrer de seu dia. Por exemplo:

Você vai sacar seu dinheiro banco e percebe uma pessoa cair na rua, independente do sexo, você a ajuda ou começa a rir da situação?
A maioria das pessoas, me incluindo, riria. Hoje com o aumento do egoísmo, confundido pelo egocentrismo, elas acham que ajudando uma pessoa publicamente, vão passar vergonha, dizendo no popular: “vão pagar um mico”, pois todos olharam. Já os bons samaritanos ajudam sem se importar o público o olham e sem se importar com a beleza física da vitima, independente do sexo.

Um homem bate ou aperta a campainha da sua casa, independente da hora,  pedindo dinheiro ou comida?  Você, percebendo que ele está alcoolizado, o ajuda, sabendo que ele pode vender a doação pra beber mais ou nega o pedido?
A grande maioria nega, por insegurança de imaginar que sua doação pode ser usada para o mal do homem. Há pessoas também que negam, por se importar com comentários maldosos de vizinhos, por não ficar bem um bêbado pedir ajuda em sua casa. Existem bons samaritanos que ajudam sem se importar com o destino de sua doação, por que acreditam que ajudando. DEUS vai levá-las ao céu quando morrerem.

Após ajudar um necessitado pedindo ajuda, você percebe que ele te enganou ou assaltou, a próxima pessoa que te pedir ajuda, você ajuda ou não?
Muitos negam ajuda pelo medo ou insegurança da violência, que está altíssima no mundo todo ultimamente. Por isso negam, correm quando, uma pessoa que aparenta ser um mendigo, pede ajuda, generalizando-os. Os bons samaritanos, mesmo com medo da violência, ajudam os necessitados e quando enganados ou assaltados por esses malfeitores, como bons cidadãos, chamam a polícia.

Esses exemplos, de nosso cotidiano, banais, comparado às tragédias citadas acima, nos fazem refletir como devemos agir com o próximo e se agirmos bem ou mal, por que agimos assim?  Aqui não julgo ninguém por ser o joio ou o trigo, mas nesses momentos devemos pensar como pensamos no Natal, ajudando nossos semelhantes, isso evita o egoísmo perpetuar no mundo do criador.


Nenhum comentário:

Postar um comentário