sábado, 10 de setembro de 2016

AVALIANDO COISAS - BEN-HUR, UM CONTO SOBRE CRISTO - LEW WALLACE

Ben-Hur, Um conto sobre o Cristo
Lew Wallace
1880
SINOPSE: O ano é 4 a.C. Nascem na Judeia Jesus Cristo e Judah Ben-Hur. Duas vidas que se cruzarão em raros, mas significativos momentos nessa emocionante narrativa de Lew Wallace.
Judah, nascido judeu, após cativeiro e escravidão, é adotado por um nobre romano. Dez anos mais tarde, retorna à Judeia como romano e renomado condutor de bigas de corrida. Reencontra seu amigo de infância, Messala, agora inimigo, como um oficial do exército romano que ocupa sua terra natal.
Com astúcia e criatividade, Lew Wallace faz o clima do romance aquecer. Inveja, amor e traição suscitam nossas emoções numa trama que surpreende a cada página.
A corrida de bigas é o anticlímax, quando comparada ao surpreendente final!
OPINIÃO: “Se você tem uma afeição pela Bíblia vai gostar desse livro!”
É com essa frase que começo minha resenha, mas vamos chegar nessa parte ainda. Esperem um pouco, caro amigo que me visualiza!
Acho que os dois capítulos iniciais foram uma ideia genial do autor, por que narram o nascimento de Jesus Cristo através da visão dos três reis magos e o detalham bastante esses personagens coadjuvantes. Em seguida, entramos na vida de Ben-Hur – o protagonista – e a narrativa vai sendo desenvolvida através das desventuras dele: o plano de vingança contra o amigo que o traíra, o enriquecimento do mesmo e a procura árdua de sua mãe e irmã presas injustamente. Até aí, tudo bem! O leitor vai se instigando em saber o que acontecerá e torcendo para que Judah realize seu plano, mas depois de tudo realizado, a história volta para o ponto de Jesus Cristo e aí que vem a explicação da frase inicial. Acredito que a volta de Jesus Cristo – um personagem histórico da cultura judaico-cristã – desfocou totalmente a história e colocou de lado, um enredo muito bem trabalhado, transformando a narrativa num livro do Velho Testamento Bíblico.
Outra coisa que não facilitou foi a forma colocada das palavras que, na minha opinião, foram colocadas de forma errônea no término do livro, dificultando a compressão daquele leitor mais desatento. Apesar desse erro, gostei bastante da adaptação ilustrativa do livro que ajudarão na compreensão de como eram os indivíduos daquela época.
Mesmo tendo essas ressalvas e os personagens sendo clichês: o mocinho guerreiro, o vilão ardiloso, a mocinha graciosa, a vilã sensual... enfim típicas de uma telenovela – a obra vale a pena ser conferida.

NOTA: 7,0 

Nenhum comentário:

Postar um comentário