sexta-feira, 16 de setembro de 2016

TAG - PERGUNTE E EU RESPONDO?

Olá pessoas!
Como vocês estão?

Primeiramente, por conta das duas postagens não tiveram os meus comentários iniciais, eu quero agradecer mais uma vez a meus queridos visualizadores que acompanham este singelo blog pelo grande número de views que me proporcionaram desde a minha volta. Obrigado gente! S2
Bom, como sempre digo: VAMOS AOS NEGÓCIOS!!! hahaha
Daqui há uma semana ou no calendário dia 23/09, para quem não sabe, meu livro LAÇOS DE CASAMENTO faz um ano!!!! Sim, o tempo passa, meu querido que me lê! E aquele filho "rosinha" que só me trouxe alegrias está ficando velhinho! hehehehe Por isso, para comemorar, pedi no Facebook que vocês me mandassem perguntas sobre mim, no caso o autor do livro. Falando nisso, queria agradecer demais quem mandou as perguntas e também quem curtiu as duas postagens que fiz, mostra que aceitou a loucura desse que vos escreve.
Bem, vamos as perguntas de vocês e as minhas respostas:

Rennan Andrade: Vai ter uma sequência para “Laços de Casamento”?
Olha Rennan, sim terá. Mas não será uma sequência convencional, eu estava pensando num prequel, explicando o porquê do Eduardo ter depressão, usar roupa preta e a franja – coisas não muito bem detalhadas no Laços de Casamento.

Kathryn Barbosa: Quando sai o “Pequena Ajuda”?
Kathryn, admito que o “Pequena Ajuda” está dando um trabalho danado para mim tanto fisicamente, como psicologicamente, mas prometo que estou me empenhando muito a termina-lo. Quero muito finaliza-lo até o término desse ano, mas quanto à publicação, acredito que só ano que vem mesmo. Pela tradição, eu lanço livros a cada dois anos. hehehehe

Aline Rosa: Pretende começar outra historia nova depois de Pequena Ajuda?
Pretendo e já comecei faz dois anos: “Você me Perdoa?”, que está no Wattpad (https://www.wattpad.com/240494092-voc%C3%AA-me-perdoa-o-garoto-que-se-tornou-homem), anteriormente tive a ideia de um faroeste-policial, porém, como os romances não saem de minha cabeça, vem outro aí. kkkkk

Aline Belloni: O que o "Laços de Casamento" representa na sua vida?
O “Laços de Casamento” representa o começo de tudo, o início de uma carreira que, para minha surpresa, tem me encantado muito. Através desse livro, conheci um mundo no qual pertenço e que sim, existem pessoas maravilhosas.

Qual é o seu maior sonho no momento?
Já realizei muitos sonhos somente neste ano, como um que realizei recentemente: conhecer a Bienal de SP, mas o que mais anseio agora é ter marcadores para o “Laços de Casamento” e finalizar o “Pequena Ajuda”.

Cite 5 coisas que vierem a sua mente agora. Pode ser qualquer coisa mesmo. Aleatoriamente.
Responder as perguntas; Ler o livro da Rafaela Alves; Me preocupar com os amigos; Dar aula na segunda (respondi essas questões num sábado no começo do mês) e escrever o “Pequena Ajuda”.

Onde você busca suas inspirações?
Geralmente busco nos filmes, por que sou totalmente cinéfilo e assisto dezenas de trailers de filmes no YouTube. Porém, de onde mais tiro inspirações é na minha vida, tanto que os dois personagens que escrevi são baseados em situações que passei.

Tem caçado Pokémon? Se sim, já pegou quantos?
Eu sempre fui Hipster (expressão para quem não segue a tendência de todo mundo), então não ando caçando Pokémons. Outro motivo é que meu celular não comporta um espaço suficiente para o jogo. kkkkkk  Mas só para constar, eu gostava do desenho, viu? J

O que você acha do aumento do preço em relação aos "materiais impressos" nos correios?
Apesar de saber que com a crise tudo aumenta nesse país. Acho chato e desumano para as pessoas que já pagam um valor que, diga de passagem, já é um pouco alto pelo seu livro e terem ainda que pagar também um frete caro? Isso dificulta ainda mais uma causa que luto sempre: a constante leitura de nacionais.

Já sofreu algum tipo de preconceito?
Sim, quando estava com depressão, fui chamado de VAGABUNDO por um familiar, mas acredito que isso, seja por conta da falta de conhecimento que a pessoa tenha sobre o assunto. Infelizmente as pessoas tendem a julgar as coisas sem conhecê-las.

Antes de começar a escrever, se imaginou escritor? Ou isso sempre esteve enraizado em você?
Acho que o “ser escritor” nunca está enraizado em você, exceto, acredito eu, se tiver alguém que escreve na família, sempre você se torna um autor por algum motivo específico ou por alguma força do destino.

Biscoito ou bolacha?
Depende do estado que esteja. Não quero levar uma bolacha na cara. Você quer? Kkkkkkk

Franciele Dias: Você já sente realizado o suficiente por já estar na marca de dois livros?
É típico do ser humano não estar suficiente realizado, sempre queremos mais! E é o meu caso! Quero que as pessoas tenham mais livros criados por mim e o adorem ou não, como acontece com o “Laços de Casamento”.

Luene Langhammer Alves: Prefere escrever em qual período do dia? Segue algum ritual? Gosta de ler com música ou sem? XD
Oi Luene. Aliás, obrigado por me perguntar, adoro você! S2 Eu gosto de escrever à noite mais para perto da madrugada, por que o silêncio que ela proporciona me dá muita inspiração. Meu ritual é sempre escrever uma parte e corrigi-la logo em seguida, tudo isso por conta do meu excessivo perfeccionismo. Para escrever gosto de música, mas para ler prefiro o silêncio por que além de lento, sou bem desatento.

Ingryd Novais: Quais suas metas para 2017? Em relação aos seus livros.
Eu, ultimamente, não ando planejando nada da minha vida. Sempre “deixo na mão de Deus”, como eu regularmente digo. Mas em relação aos livros, quero lançar o “PEQUENA AJUDA”, continuar postando o “VOCÊ ME PERDOA?” no Wattpad e começar o livro novo.

Éven Saraiva: Qual seu livro preferido?
Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis

Você se vê escrevendo outros gêneros como terror e suspense?
Não, apesar de ser convidado para algumas antologias desse gênero. Eu me vejo escrevendo romances policiais – do qual mais gosto como leitor – e por incrível que pareça, distopias.

Gostaria que seus livros virassem filmes?
Nossa! Seria um sonho, como cinéfilo que sou.

Qual seu filme preferido?
À Procura da Felicidade com Will Smith

Qual é o seu autor preferido?
Dan Brown, apesar de ler poucos livros dele.

Já pensou em escrever algum livro em conjunto com outros escritores?
Sim, eu já convidei duas pessoas para escrever comigo, mas por conta da falta de tempo de ambas, a ideia não teve continuidade.

A algo em "Laços de casamento" que você mudaria hoje?
Mesmo de não gostar disso, colocaria mais detalhes, principalmente em alguns personagens principais como no Eduardo e a Bella.

Se não fosse escritor que profissão escolheria?
Jornalista de redação. Não me vejo em uma profissão que não tenha a escrita como trabalho primordial.

José Sipriani: O que não pode faltar para seu dia ser completo?
Escrever, ler ou algo que envolva literatura, mas também não deixo de falar no grupo do Whatszapp: “Família da Kate”, adoro todos eles!! São uns queridos! S2

Lourdes Silva Rosa: Quando você não esta escrevendo, qual o seu momento preferido e por quê?
Eu escrevo todo o tempo, então fica difícil definir um momento, mas é quando estou palestrando numa escola ou viajando em uma feira de livros. É um momento mágico e incrível.

Entre “Laços de Casamento” - seu livro – e você com relação ao casamento em si, o que muda?
Acho que nada, eu continuo achando casamentos demorados e chatos. kkkkkkk

O que significa em sua vida a profissão que escolheu e se nela você conseguiu ou almeja conseguir mais alegrias e felicidade com ela, por quê?
A minha profissão significa tudo que eu sei fazer, o que respiro todos os dias, o que mais amo fazer e que pretendo ajudar pessoas a sentirem essa sensação. Enfim, escrever é a minha vida! S2

Camila Pelegrini: Qual a melhor parte de viver no meio literário?
Bom, Camila... a propósito, obrigado por perguntar, querida! S2... a melhor parte é sentir o carinho que as pessoas tem por sua obra. Acho que quando recebe um elogio dizendo que seu livro proporcionou uma emoção em alguém, você pode ter tido um dia péssimo que tudo melhora. Outra coisa é conhecer as pessoas que vivem desse mundo e eu, graças a DEUS, conheci gente maravilhosa e muito talentosa.

Kate Willians: Qual a maior dificuldade que você enfrentou no meio literário?
Antes... obrigado amiga por perguntar! S2 Olha Kate, para mim, a maior dificuldade foi a venda pessoalmente. Sempre fui um indivíduo muito tímido e reservado, por isso geralmente era difícil eu chegar às pessoas para vender algo. Mas com o tempo e com ajuda das palestras, estou aprendendo a mudar esse meu jeito de agir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário